quarta-feira, novembro 30, 2005

Para quem não sabe o que me há-de dar...

que é como quem diz: QUERIDAS MANAS...

O meu querido porta-chaves do leãozinho deu o berro. O leão decidiu ir para a selva, e deixou o resto do porta-chaves para trás. É pena, mas foi bom enquanto durou. Assim sendo, preciso de um porta-chaves novo. Agora organizem-se, porque eu só preciso de um (1) porta-chaves...
0 comentário(s)

Estou chateada...

...pois claro que estou chateada. Impostos, seguros, contas e mais contas, tudo para pagar quanto antes, e o Natal aí à porta, quer dizer, até parece que eu já comprei as prendas de Natal todas! O timing desta gente não podia ser pior, de todos os meses do ano, tinham que escolher logo estes (Dezembro e Janeiro) para me mandarem as contas que mais doem?
O que vale é que sou uma rapariga prevenida. Mas mesmo assim, não gosto nada, mesmo nada, de ter que andar durante este mês, de cinto apertadinho. E a prenda da minha mãe? E a prenda dos sogros? E as prendas das manas? E as prendas para os cunhados (não que eles mereçam...)? Parece-me que vão ser todos corridos a rebuçados. Ou então a álbuns de fotos ou molduras com fotos ou desenhos, tudo feito à mão. E não admito reclamações. Ou melhor, admito, desde que sejam endereçadas aos culpados disto tudo. (Já agora, estou muito contente, consegui o tal desconto enorme no seguro. Veio mesmo a calhar.)
O puto é que tem sorte. Com tanta gente que adora encher-lhe o sapatinho com milhões de coisas, por mais ou menos que eu lhe dê, nunca lhe vai faltar nada. Bem, com ele também é fácil: mesmo um saquinho com meia dúzia de moedas (das pequenas) serve para ele gritar de alegria "estou rico!".
2 comentário(s)

Há miúdos lixados

eu: acaba de comer tudo.
ele: mas tu não acabaste!
eu: não interessa, acaba de comer o que tens no prato.
ele: já a comer o arroz que deixaste!
2 comentário(s)

Para que conste

Na sala de aulas do meu pimpolho não há crucifixos, nem outros símbolos religiosos.
Já nas ruas, não se pode dizer o mesmo. Parecem alvos...
0 comentário(s)

terça-feira, novembro 29, 2005

Está-se a aproximar...

O Natal não me diz nada, do ponto de vista religioso.
Mas gosto de fazer "compras de Natal", gosto de estar com a família, gosto de entreter o miúdo com coisas para as quais durante o resto do ano se calhar tenho menos paciência.
Gosto da ideia de o Natal ser, originalmente, uma festa pagã que celebra o início do Inverno.
E acima de tudo, acho o Natal um marco de optimismo. "Calhando" logo a seguir ao solstício de Inverno, anuncia que, a partir daí, os dias serão cada vez mais compridos. E por cá, só isso já dá vontade de festejar.
2 comentário(s)

segunda-feira, novembro 28, 2005

Primeiro de Dezembro

Querido leitor:

estiveste a dormir durante as aulas de história? Nunca tiveste um professor (ou uma professora) que soubesse explicar as coisas, ou que te entusiasmasse? Gostas de uma boa história em que os espanhóis sao os maus da fita, e ainda por cima saem a perder? E já agora, gostavas de saber porque é que no dia 1 de Dezembro é feriado em Portugal, para o caso de te aparecer alguém com uma câmara na mao a perguntar, fazeres boa figura, ao contrário dos outros 50 marmelos que serao escolhidos para aparecer na tv a dizer as coisas mais disparatadas...
Entao clica aqui, para ficares a saber (quase) tudo o que sempre quiseste saber mas nunca tiveste coragem de perguntar.

Em vez de mandar isto para cinco amigos, ponho a informaçao aqui no blog. Com um bocado de sorte, há-de haver mais de 5 pessoas que vao lá ler. É que eu nao quero que me caiam os dentes, e quanto a falar castelhano já bem me basta ter que entender os malvados ex-vizinhos (como emigrante, deixei de considerar os espanhóis vizinhos. Do mal o menos.).
1 comentário(s)

O que eu queria mesmo...
(carta ao pai natal)

O que eu queria mesmo mesmo mesmo muito este natal, era uma coisa que eu nem sequer sei como se chama, nem onde encontrar, mas sei que existe. É uma espécie de caneta electrónica com uma placa metálica a fazer de tapete de rato, para fazer desenhos no computador. Eu sei que nem sequer tenho assim tanto jeito, mas vontade é que nao me falta. Querido pai natal, fazes-me o enorme favor de descobrir o que é, e enviar-me tao precioso item durante a noite de natal?
Muito agradecida,

snow
5 comentário(s)

Finórios

O meu seguro mandou-me a conta para o próximo ano. Fui ver o preço do mesmo seguro online, na mesma empresa, e era 20% mais barato. Só podem estar a brincar comigo. Qual é a lógica de oferecerem aos novos clientes muito melhores condiçoes que aos antigos? E será que a maioria das pessoas nao comparam preços? É que estamos a falar de uma diferença significativa, nao é de tostoes! Queridos seguradores, ou me fazem o preço online, ou mudo de companhia. E é já. E garanto-lhes que daqui para a frente, todos os anos farei o exercício de comparar os preços por esta altura. Se nao me dao razoes para confiar em vós, porque é que eu o faria?
1 comentário(s)

sábado, novembro 26, 2005

Esta minhoca anda-me a levar por maus caminhos

Nunca fui fan de actores de cinema. Até posso achar alguma piada a alguns, por terem um ar brincalhao, uns músculos como deve ser, ou um sorriso capaz de derreter o pólo Norte, ou ainda, idealmente, todas estas características, mas fico-me por aí. Nao vou ver um filme só porque o actor X entra, embora o contrário seja verdade. Tenho os meus ódios de estimaçao: Tom Cruise, por exemplo. Ele até pode ser bom rapaz, mas eu nao gosto dele nem à lei da bala.
Agora a minhoca contou TUDO sobre o último filme do Harry Potter, e pôs-me a pensar. Eu li os livros todos do Harry Potter, e, ao ler livro aprendi a odiar o professor Snape. O homem é mau, é misterioso (no mau sentido), nao parece ter pingo de sentimentos humanos, pergunto-me até se será sangue que corre nas suas veias. Mas realmente, aquilo que o Snape é no livro, quando transportado para o grande écran tem a sua piada.
As vozes graves sempre me deram arrepios (deve ser da minha paixao pela rádio). E o ar sombrio, o cabelo preto, a calma daquele personagem-actor-homem também sao de arrepiar. No bom sentido. Tenho que ver, e rever os filmes do Harry Potter, e tem que ser já!
3 comentário(s)

sexta-feira, novembro 25, 2005

Isto só a mim

Meia hora na net a tentar encontrar um programa que precisava (freeware, aka gratis, o meu tipo preferido de programas). Estava difícil, porque todos os links apontavam para um site que já nao continha o dito programa. Finalmente, depois de muito penar, lá o encontrei e descarreguei. Quando ia instalar, aparece-me a seguinte mensagem: para instalar o program xpto deve primeiro desinstalar a versao de xpto anterior que já se encontra no seu computador. Raios. Até parece que tenho tempo a perder.
1 comentário(s)

quinta-feira, novembro 24, 2005

Uma canção de Natal

A vieira fez-me lembrar de uma tarefa que já devia estar na minha lista de prioridades, em número 1 ou talvez 2, no máximo, porque ainda para mais é uma tarefa daquelas que demora bué. Está na altura de fazer o vídeo de Natal, com as aventuras do ano passado, para depois mostrar à famelga durante as férias, naquelas alturas em que está a dar na tv pela quinquagésima milionésima vez, o Música no Coração ou outro clássico qualquer. Ora qualquer vídeo filme que se preze tem que ter uma boa banda sonora. No ano passado foi bem complicado encontrar as músicas adequadas, e por isso este ano, inspirada pela vieira, faço um apelo àqueles que por aqui passarem. Ora escrevam aí nos comentários qual a vossa música de Natal preferida. Pode ser mais que uma. A gerência agradece. :)
5 comentário(s)

É Natal

Na minha casa, já é Natal há 3 semanas. No primeiro fim de semana de Novembro decidimos montar a árvore e pendurar as outras decorações de Natal. Eu aproveitei para ir ao IKEA comprar umas velas de cores variadas, principalmente branco, vermelho e dourado/prateado. Sim, tudo muito kitsh. E diverti-me imenso a espalhar as tais velas pela casa, juntamente com umas bolas que deviam ter ido para a árvore, umas estrelinhas, e coisas que tais.
Pois é, se calhar somos doidos. Mas não somos mais doidos que as lojas, que se começaram a preparar para o Natal em Outubro.
4 comentário(s)

Roupa de usar em casa

Por muitos anos a minha mãe tentou convencer-me que certas roupas estavam bem para se usarem em casa, mas que não deveriam servir para ir à rua. Quando eu era miúda ainda ia na cantiga, mas hoje em dia, não acho piada nenhuma a esse conceito.
Porque é que em casa se há-de andar menos bem vestido que na rua? Porque é que hei-de andar de fato de treino ou de calças velhas em casa? Não gosto mesmo nada da ideia. Até porque os meus mais que tudo devem ter o privilégio de me ver toda giraça em casa. Claro que de vez em quando corro o risco de estragar alguma t-shirt ou algum par de calças. É verdade que já fiz uns buraquinhos a algumas sweat-shirts bem giras ao mesmo tempo que cortava uma fatia de pão. Acidentes domésticos, às vezes acontecem. Mas não é isso que me vai motivar para andar com roupas velhas, e muito menos de fato de treino. Claro que também tenho sorte, normalmente não tenho que andar muito produzida no trabalho, por isso é fácil chegar a casa e apenas tirar o casaco e a camisola. Mas mesmo nos dias em que tenho que andar mais formal, não chego a casa e enfio o pijama.
Para o meu miúdo, a mãe está sempre super gira, independentemente da roupa que usar. Mas daqui a alguns anos não quero que ele pense que a mãe dele anda sempre desmazelada. Nem pensar.
5 comentário(s)
Encontrei uma moeda de 10 cêntimos no meio da rua. O meu filho dirá que estou rica quando lhe contar. Se calhar devia jogar no totoloto, mas não faço ideia como é que funciona por cá.
1 comentário(s)

quarta-feira, novembro 23, 2005

Spammers e chain letters

Recebi um daqueles mails género "vamos todos assinar lá em baixo e reenviar para todos os nossos contactos" e salvar a floresta amazónica/um miúdo com uma doença rara/ganhar um telemóvel/manifestar o nosso amor por uma espécie de animal tão raro que nem sequer temos a certeza de que existe.
Eu até acho piada a alguns chain-mails. E alguns destes mails que pedem para assinar parecem realmente ter algum interesse, ao apoiar alguma causa meritória. Mas isso é enquanto o meu cérebro ainda está a dormir. Porque assim que acorda, começa a bombardear-me com perguntas difíceis:

1 - porque é que no email pedia para a milésima pessoa que assinasse enviasse o email também para um certo endereço? Cada milésima pessoa que fizer isso estará forçosamente a reenviar vários nomes repetidos (999 ou menos) para quem recebe este email de confirmação por supostamente andar a recolher nomes para juntar "à causa".

2 - o conteúdo do mail parece-me duvidoso. Enuncia um problema tão grave (é pá, isto é um despiste freudiano, eu estou com mais saudades das aulas de matemática do que alguma vez na vida imaginaria) que seria no mínimo muito estranho não ter ouvido falar disso nas televisões ou ao menos nos jornais.

3 - desconfio que o que realmente anda a ser coligido é uma lista de emails válidos, uma base de dados muito valiosa para spammers. Será que eu quero mesmo que algum profissional do spam apanhe o meu email?

4 - para confirmar, envio, a partir de uma conta de email que nunca uso (só serve mesmo para dar emails a sites na net que requerem registo mas que a longo prazo não me interessam), uma mensagem ao tipo a quem se deve enviar a lista quando chegar à milésima pessoa. O resultado não é surpreendente: o email vem devolvido, com a mensagem de que o endereço do destinatário não existe.

Como é evidente, não reenvio a mensagem para ninguém. Não vale a pena andar a fazer outras pessoas perder tempo. No entanto, o meu cérebro, esse chato, não me deixa em paz. Continuam a borbulhar perguntas na minha cabeça, como afinal, qual é o objectivo de um mail destes? Bem, só no que eu recebi, vinham 12 contactos de email. Muito provavelmente, todos válidos. Basta que algum spammer intercepte um destes mails para logo obter aquilo que lhe interessa. E se o endereço de email do suposto "colector de nomes e moradas" fosse válido? Muito provavelmente, mais tarde ou mais cedo alguém perceberia o gato, e o tipo poderia ser apanhado. Spam é crime.
De qualquer forma, para não me alongar mais, queria apenas indicar uma maneira de enviar chain letters sem estar a divulgar dezenas ou centenas de emails válidos. Basta que, ao reenviarem piadas/chainletters/histórias comoventes aos vossos amigos, coloquem os endereços de destino no campo "BCC" do email. O campo BCC implica que cada destinatário do email não sabe quem são os outros destinatários que estavam no campo BCC. Pode não ser 100% seguro, mas já ajuda bastante.
6 comentário(s)

terça-feira, novembro 22, 2005

Estes alemães são loucos

Há uma piada muito velha (daquelas que podiam fazer parte do repertório dos malucos do riso), mais ou menos assim:
Num país qualquer, por exemplo nos EUA, editaram um selo com a cara do chefe de Estado, por exemplo, o George Bush. No entanto ninguém consegue mandar cartas com esse selo, porque ele cai. O motivo é que as pessoas cospem no lado que não tem a cola.
(alguém se riu? sim? estão aprovados para verem os malucos do riso)
Os alemães vão tornar esta anedota realidade, mais dia menos dia. Estão-se a preparar para emitir um selo com a fotografia da nova Chanceler, Angela Merkel (link). Imagino, num futuro não muito distante, por exemplo, assim que aprovarem a lei que reduz o 13° mês aos funcionários públicos, ou assim que aprovarem a lei que aumenta o IVA, as pessoas a cuspirem no lado errado do selo.
0 comentário(s)

segunda-feira, novembro 21, 2005

Preguiça

Tenho trabalhos de casa à minha espera.
1 comentário(s)

Avó Hardcore

(Este artigo já tem uns dias, e eu estava na dúvida se havia de o linkar ou nao.)

É assim que eu me imagino daqui a uns 30 ou 40 anos, quando me reformar. Uma velhota que, quando nao está na praia, passa o dia a jogar playstation, computador, gameboy, seja o que for que houver nessa altura. Hoje em dia há cada vez mais avós a roubar os jogos aos netos. Quer dizer, a comprar as suas próprias consolas, e a desperdiçar o tempo em frente ao écran. E pelos vistos, isso até tem efeitos benéficos, nomeadamente a nível da coordenaçao visual/motora. Estas velhotas sao muito à frente!!!
2 comentário(s)

Gula

Para quem nao acredita em pecados, como eu, estou a penitenciar-me da pior forma. Uma enorme dor de barriga porque simplesmente comi demais.
0 comentário(s)

Inveja

Só se pode invejar aquilo que não se pode ter.
0 comentário(s)

domingo, novembro 20, 2005

Um belo jantar

Quando comecei a escrever no blogue, nunca me passou pela cabeça que isso viesse a servir como veículo para conhecer pessoas. No entanto, foi isso que aconteceu, e quer online, quem em pessoa, tenho vindo a conhecer pessoas muito interessantes e divertidas.
Ontem a minhoca e a pollie foram umas queridas em virem jantar cá a casa. Foi uma noite muito agradável, em especial para o pequenote, que adorou a oportunidade de jogar pictionary júnior. Claro que toda a gente lhe fez o favor de o deixar ganhar...
Por mim, podemos voltar a repetir quando quiserem! :)

Já agora, minhas queridas, conto-vos o final do episódio do carro. Quando cheguei a casa, nao conseguia fechar a porta e as janelas como deve ser. Tive que chamar o meu cavaleiro andante, que munido da ferramenta apropriada (um daqueles plásticos para tirar a neve), tirou o gelo das borrachas e pôs aquilo a funcionar como deve ser. Sim, o meu carro é totalmente inútil no Inverno alemao.
4 comentário(s)

A pedido de várias famílias...

Por causa destas meninas, apercebi-me de que, muito provavelmente, a maioria das pessoas que vêem este blog usam o Internet Explorer, e têm monitores pequenos (até 15 polegadas, aliás, como o meu cá em casa). Por essa razao, essas pessoas nao vêem a barra lateral direita no sítio onde ela devia estar, que é em cima e à direita. Por causa destas pessoas, hoje lá me decidir a ver se seria possível (e como!) por a barra no lugar. Parece-me que consegui. Se alguém continuar com problemas, avise!
Já agora, sabiam que a informaçao colocada no lado direito de uma página é a mais rapidamente apercebida pela maioria das pessoas? Por essa razao, na coluna da direita tenho os links mais importantes, ou melhor, aqueles que visito com mais frequência. Sim, eu sou uma gaja fixe. Por esta ordem de ideias, na coluna da direita deviam estar os posts... :P
0 comentário(s)

Schuhkette

schuhkette
Ora aí está uma bela ideia. Para quem tem que andar na neve/gelo, e nao quer escorregar e cair, alguém se lembrou de criar umas "correntes" para sapatos. Eu ainda nao caí, mas acho que quando me acontecer, vou a correr comprar umas. :)

(post especialmente dedicado à pollie)
2 comentário(s)

sábado, novembro 19, 2005

A pick up line que toda a gente usa comigo

Para responder ao comentário do Tiago no post anterior, aqui vai uma explicaçao.
Dentro dos edifícios o aquecimento central está sempre ligado, desde que a temperatura exterior esteja abaixo de um determinado valor (penso que esse valor seja cerca de 13 a 15 graus). Isso implica que dentro dos edifícios, durante a maior parte do ano, a temperatura esteja acima dos vinte graus. Qualquer pessoa normal (digo eu...), que esteja num ambiente com estas temperaturas, anda de t-shirt para nao suar demais. Bom, isso é o que eu penso. A grande maioria das outras pessoas acha que, se lá fora estao menos de vinte graus, tem que andar de camisola, e se estiverem menos de dez graus (positivos) tem que andar de camisola de la. Eles nao percebem como é que eu consigo andar de top durante o ano todo. Eu nao percebo como é que eles conseguem andar de camisolas em locais cuja temperatura é superior a vinte graus, independentemente de estarem -10°C lá fora. Ora é evidente que, andando eu vestida de maneira diferente de todos os outros, que eu ando assim porque é desta maneira que me sinto bem. Se andasse com uma camisola de inverno, suaria que nem uma porca e todos se teriam de afastar de mim por causa do cheiro a suor. É evidente para mim que os outros se vestem da maneira que se vestem porque é assim que se sentem bem, e eu visto-me como me visto porque é assim que eu me sinto bem. Agora, se eu nao vou ter com eles para lhe perguntar porque é que eles andam de camisola de la dentro do trabalho/lojas/etc., porque é que toda a gente me vem perguntar se nao tenho frio? É óbvio que nao tenho frio. Se tivesse frio, vestia o casaco. E muitos dos que me perguntam sabem isso muito bem, pois vêem-me quase todos os dias. É evidente que eu nao me enganei no guarda roupa todos os dias desde que me conhecem (de vista, claro). Desconfio que só me perguntam isso porque andam desesperadamente à procura de uma maneira de falar comigo, e essa é a mais fácil. Porque é que ninguém me vem perguntar as horas? Eu nao uso relógio (e vê-se bem que nao), mas pelo menos sempre era uma maneira diferente de me abordarem. Mas que falta de imaginaçao...
2 comentário(s)

sexta-feira, novembro 18, 2005

Mentecapto

Há colegas para todos os gostos. Há aqueles a quem dizemos bom dia, aqueles a quem fugimos sempre que podemos, aqueles que nunca olham ninguém nos olhos, aqueles que nos irritam só por existirem. E aqueles que fazem questão de estragar a sua imagem na primeira oportunidade que têm.
Há uns tempos, estava numa festa em casa de um colega de trabalho, onde me apareceu um cromo que também trabalha connosco. O tipo já devia ter bebido mais do que devia, e estava tão bem disposto que se pôs a contar anedotas. Até aqui tudo bem. Mas as anedotas eram racistas e de um mau gosto tremdendo, pelo que eu virei-lhe as costas rapidamente e fui falar com outras pessoas. Uma dessas "anedotas" ficou-me até hoje na cabeça ("eu não tenho nada contra os pretos, acho que toda a gente devia ter um") e de cada vez que vejo este tipo associo-o com essa situação e faço tudo o que for preciso para evitar dizer-lhe sequer olá. Eu bem vejo as tentativas dele de me sorrir ou cumprimentar. E ele não pode ser burro ao ponto de não entender que eu até olhar para ele evito. Mas o tipo é daqueles que não desiste. E hoje, passados meses a tentar falar comigo, lá se saiu com uma frase daquelas que toda a gente usa para se meter comigo. Respondi-lhe, e saí de perto dele o mais depressa que pude. O tipo revelou-se ainda pior do que aquilo que eu já conhecia. Há gente que não se enxerga, puxa!
4 comentário(s)

Chegou o inverno

É oficial. A neve está aí, e em sequer me posso queixar pois veio mais tarde que o esperado. Acabou-se o Outono. Daqui até Março ou Abril, é Inverno.
1 comentário(s)

quinta-feira, novembro 17, 2005

Regras simples de segurança

A maioria das pessoas têm passwords fáceis de descobrir. O seu próprio nome, número de telefone, data de nascimento, idade, nome do namorado, enfim, de uma meia dúzia de factos da sua vida produzem uma password que com um pouco de conhecimento e imaginação se descobre.

Um professor da faculdade contava, para exemplificar, a seguinte história: uma vez a cunhada pediu-lhe para levantar dinheiro, usando o cartão multibanco dela. O professor pegou no cartão e começou a afastar-se quando ela disse: "então, não queres saber o código?". O professor disse que não, e passados uns minutos voltou com o cartão e o dinheiro. O código consistia nos últimos quatro algarismos do número de telefone da cunhada.

Com a quantidade de PINs e passwords que nos obrigam a ter, é ainda mais fácil cair neste tipo de códigos que lembramos mais facilmente, mas que são muito vulneráveis a terceiros com intenções menos honestas.
Deixo-vos com algumas regras que podem usar para criar passwords mais resistentes a ataques:
1 - as passwords devem ser compridas. Uma password de 4 caracteres é muito mais vulnerável que uma password de 8 ou 10 caracteres.
2 - não utilizar como password palavras que se encontrem em dicionários. Chocolate é uma delícia, mas não é uma boa password.
3 - uma boa password contém uma mistura de caracteres alfanuméricos (letras e números) assim como de outros caracteres, também chamados de caracteres especiais (por exemplo ?_;"*#).
4 - uma boa password também deve ser facilmente lembrada. Um truque é, por exemplo, retirar as primeiras letras de uma frase que não esqueceremos com facilidade. Por exemplo: "o meu filho chama-se joão e tem 3 anos" daria uma password: omfcjet3a . Difícil de adivinhar, não?
5 - outro truque é utilizar duas coisas que não estejam associadas. Por exemplo, o carro preferido e a comida preferida da pessoa. Imaginando que o meu carro preferido é o audi A4, e a minha comida preferida é crepes, podia criar uma password A4crepes , mais difícil de descobrir do que "crepes" seria. Outra dica é escolher um caracter especial e colocá-lo entre as duas coisas, originando por exemplo A4&crepes.
6 - finalmente, certos programas obrigam-nos a mudar regularmente a password, e não nos deixam utilizam as últimas 3 ou mais (depende dos casos). Uma maneira de manter mais ou menos a mesma password, sem correr o risco de a esquecer, é utilizar a password anterior juntando-lhe um número no fim. No exemplo anterior, poderíamos gerar as passwords A4&crepes1 A4&crepes2 etc. de cada vez que fossemos obrigados a mudar a password. É claro que este truque pode tornar um pouco mais fácil que alguém descubra a password ao fim de algum tempo. Mas a nossa cabeça também não é de ferro, e ao fim de algumas passwords diferentes começa a ser difícil inventar novas e não as esquecer. Outra maneira seria, em vez de mudar o número do fim, mudar um caracter especial que se situe no fim, por exemplo, pela sequência que se tem no teclado. Por exemplo A4&crepes§ A4&crepes+ A4&crepes" conforme o teclado que estou a utilizar.

Claro que estas regras não são infalíveis. Mas apesar de serem simples, já dificultam bastante a vida a quem tiver intenção de descobrir a nossa password.
4 comentário(s)

Citações II

O problema dos alemães é pensarem demais na vida, em vez de apenas viverem e aproveitarem a vida sem grandes preocupações.
0 comentário(s)

Citações I

Se o trabalho fosse uma coisa boa, não nos pagavam para o fazer.
0 comentário(s)

quarta-feira, novembro 16, 2005

Está tudo mal

Sabemos que está tudo muito mal quando queremos almoçar à uma e meia e não há ninguém disponível para nos fazer companhia (e comer também, já agora). Cambada de doidos-que-almoçam-às-onze-e-meia.
2 comentário(s)

O verdadeiro teste...

Tu es o verdadeiro portugues! Parabens! Aposto que
tens um bigode (sejas homem ou mulher) de fazer
inveja aos outros tugas!
Comportas-te como um verdadeiro cidadao de
Portugal: arrotas a alto e bom som, esfregas
com frequencia a zona genital, cospes para o
chao e dizes caralhadas q.b.


Quao Portugues es?
brought to you by Quizilla

(não fazia a mínima ideia... mas eu não cuspo para o chão, nem tenho bigode, era só o que me faltava!!!)
Via sushilover
2 comentário(s)

terça-feira, novembro 15, 2005

Post grrrr

Porque é que os empregados da limpeza, que até hoje nunca vi limpar (a quantidade de cabelos meus acumulados ao longo de anos em volta da minha cadeira nunca me pareceu diminuir), decidiram começar a aspirar às 4 da tarde??? Eu não acredito que eles tenham ordens para aspirar enquanto as pessoas ainda estão nas salas a trabalhar... Daqui a bocado ainda vem alguém pedir-me para levantar os pés enquanto aspira debaixo da minha secretária...

Já que esperaram tanto tempo, podiam esperar mais um mesito até às férias de Natal, e aí fazer uma limpeza completa, enquanto eu cá não estivesse! Que melgas...
A culpa é minha. Queixei-me que carpete nunca tinha sido limpa desde que cá estou, e os gajos da limpeza agora vingam-se. Vou ali fazer um vodoo e já volto.
2 comentário(s)

Ajuda precisa-se

Hoje aprendi uma palavra alemã nova. Aliás, todo um conceito. Ao início pensei que queria dizer inveja, mas depois fiquei na dúvida. Para exemplificar, serve a seguinte situação: o meu vizinho comprou um Porsche. Eu ficaria mais contente se ele não o tivesse.

O que é isto? Inveja? Eu pensava que uma pessoa invejosa queria ter aquilo que os outros têm... E uma pessoa que deseja que os outros fiquem pior do que estão? Também é invejosa? É que, face a uma pessoa que ao ser invejosa deseja que os outros percam as coisas boas que têm, a outra pessoa invejosa que apenas gostaria de ter o que os outros têm parece ser muito boa pessoa!
3 comentário(s)

Blog do dia

E desta vez, o feliz contemplado com o post-galardão "blog do dia" é o blog já pensaste nisto. O motivo principal para esta distinção é ter-me feito rir às gargalhadas com a vingança perfeita para todos aqueles que estão fartos de ser incomodados por call centers (aqui). Brilhante.
0 comentário(s)

Uma notícia má

Só porque sabemos que uma notícia não irá ser boa, isso é razão para evitarmos conhecê-la?
Eu acho que não. Quanto mais depressa soubermos quão má é, mais depressa poderemos minimizar os seus efeitos ou alterar as suas causas. Enfiar a cabeça na areia não vai ajudar nada.

Um amigo meu dizia que preferia estar perto de uma cobra perigosa a fugir e deixar de saber onde ela está. Com os problemas, é a mesma coisa. É melhor saber o que está mal e o mais rapidamente possível para que se possa actuar em conformidade.
1 comentário(s)

segunda-feira, novembro 14, 2005

Kill Bill

Aqui está um site de promoção do firefox engraçado.
Não é que eu tenha alguma coisa contra o Bill Gates (quer dizer, pensando bem... aqueles softwares que vêem com o windows e que não consigo desinstalar, como o Outlook, bem que podiam desaparecer...).
Para mim, o firefox,ou o mozzila, são superiores, de longe, ao internet explorer por 2 razões: permitirem ver na mesma janela várias páginas web (muito útil quando nos aparece alguém por trás do computador de repente), e, ainda mais importante, por permitirem bloquear os popups (aquelas janelinhas de publicidade irritantes). E mais uma: não é preciso ser um génio da informática para usar estes programas.
Mais do que uma guerra contra um gigante qualquer, o que está em causa é o interesse do utilizador. Como utilizadora, quero um browser que não permita janelas a aparecer quando eu não quero, e prefiro ter todas as páginas que estou a ver numa única janela.
Quanto ao kill bill, vejo-o apenas como uma piada bem conseguida.

(via origem das espécies)
1 comentário(s)

sábado, novembro 12, 2005

Para quem vive em Portugal: a vit lembrou-se de fazer uma colecçao de fotos de lixo, espalhado por onde nao devia estar, juntá-las num blog, e enviá-las ao nosso presidente da república. Se eu vivesse em Portugal também contribuia, mas como estou longe, apoio assim o projecto, à distância, através da net.

Outra coisa... já repararam na maneira como os estrangeiros falam português-português? Eu acho o máximo, sexy até, a maneira como eles se desenrascam a falar português. A construçao gramatical, a confusao entre o "ser" e o "estar", as próprias expressoes que usam e que às vezes, nao sendo assim tao diferentes do que um português diria, os identificam imediatamente como estrangeiros, independentemente da presença ou ausência de sotaque.
Aos estrangeiros que aprendem ou falam português, um bem hajam. Nao é fácil, mas o resultado é maravilhoso. :)
1 comentário(s)

sexta-feira, novembro 11, 2005

Concurso: o gajo mais doido da internet (2)

Este é um vizinho meu. Quer dizer, vizinho, mas quando se considera uma vizinhança de bastantes quilómetros. O Emil é famoso, e até tem um clube de fãs. Uma das coisas que parece gostar mais é tirar fotos de tanga (não confundir com fotos da tanga) em locais públicos. Já anda nisto há muito tempo. A câmara (fotográfica) apanha-o em diversas posições estranhas, encostado a carros, com ou sem a tal tanga. Suponho que a côr preferida dele seja o cor de rosa. O Emil já teve vários sites. O actual até tem umas animações engraçadas (na verdade, é mais uma sequência de fotos do que uma animação). Não sei se ele é exactamente um fenómeno da internet, mas a verdade é que ele até ganhou um prémio de melhor site num concurso alemão no ano passado (bem, ficou em segundo lugar, não deixa de ser honroso). Entre os meus amigos, o Emil é um sucesso. É como algumas coisas na vida, primeiro estranha-se de tão bizarro, mas depois... (entranha-se também seria demasiado forte!!!)

Vejam aqui o site do string Emil (não aconselhado a menores, ou a pessoas sensíveis).
7 comentário(s)

Há gente muito convencida...

Já não bastava aquele SPAM mail todo (Viagra / enlarge your pennis / university degrees sem ter que fazer um curso) hoje encontrei mais um tipo de lixo na minha caixa de correio electrónico. O "Hunk" escreveu-me. Quer-me conhecer. Deve ter encontrado o meu mail num sítio qualquer da net, e agora mandou-me um convite para eu o adicionar à minha lista do MSN.
Até posso estar a perder uma grande coisa. Mas duvido muito. O "Hunk" está cheio de azar. E se ele fosse mesmo um "Hunk" não precisava de andar a mandar mails a desconhecidas.
0 comentário(s)

quinta-feira, novembro 10, 2005

Concurso: o gajo mais doido da internet

Jovem, tens mais de 18 anos? Gostavas de te encontrar com Jesus? E que tal uma banhoca com ele?
Jesus é loiro, de olhos azuis e anda à procura de uma mulher que se pareça com ele. Já anda à procura há uns anos, e parece que está difícil. Desde que a Madalena lhe deu com os pés, ele não tem andado muito bem. Portanto, se estás interessada, não hesites!
Todos os detalhes aqui.
2 comentário(s)

Queridos amigos

Parem de me mandar vídeos, piadas, imagens, e textos engraçados. Além de não me deixarem trabalhar, põem toda a gente à minha volta curiosa/invejosa ou a pensar que eu sou louca. Bem, é capaz de ser a última hipótese, desde que hoje apanhei sol em top de alcinhas na esplanada depois do almoço. É suposto estarem uns 13 graus, mas ao sol, resguardada do vento, não notei nada. Desatar a rir em frente ao monitor por uns largos minutos não abona nada em meu favor.

Aliás, mudei de ideias. Continuem a mandar. É que rir é o melhor remédio, e o inverno está à porta (aliás, já está à porta desde Outubro, mas felizmente ainda ninguém o deixou entrar). E agora não me dá jeito nenhum ficar doente. Isso só depois das festas. E a holliday season está a começar, a partir do fim de semana vai ser só eventos sociais. A vantagem de todos os meus amigos irem passar o Natal fora de Munique (e eu também não fico por cá) é que antes do Natal fazem-se montes de festas. Isto bem programado, dá para nos começarmos a entreter dentro em breve. Quanto aos presentes, já tenho alguns escondidos guardados.
4 comentário(s)

Posting

Não me falta assunto. Falta-me é tempo, e vontade. Também não me falta trabalho, o meu problema é mesmo só falta de tempo.

(Finalmente descobriram que o puto estava a dormir na escola. Já não era sem tempo. Finalmente chegou a conta de telefone da miúda que andava a fazer chamadas de valor acrescentado. Finalmente decidiram fazer alguma coisa acontecer. Isto estava a ficar leenntooo.)
1 comentário(s)

terça-feira, novembro 08, 2005

Isto está mau

Hoje já é dia 8? amanha é quarta? A primeira metade da semana irá terminar sem eu sentir que fiz alguma coisa. (Nem as compras ficaram feitas, e eu que tinha tudo planeado ao pormenor, mas no meio da escuridao da noite que chega demasiado cedo e da neura pela perda de tempo sem um motivo que se justificasse, ai, nem as compras consegui fazer como deve ser. Para fazer "terapia de compras" tem que se começar a uma hora a que ainda se veja a luz do dia.)
Na semana passada andei sempre um dia atrasada. É o que dá ter-me baldado na segunda e na terça ter sido feriado. Na quinta feira ao fim do dia estava convencidíssima que tinha ainda dois dias antes do fim de semana, que iriam ser o tempo necessário para acabar um trabalho que tinha entre maos.
Esta semana, estou-me agora a aperceber, está quase a acabar, e eu com aquele sentimento, mais uma vez, de que o tempo nao me chega.
Eu queria pedir ao pai Natal dias de 48 horas. Mas só para mim, porque se dá 48 horas por dia a toda a gente, rapidamente os horários se adaptam a esse novo "dia". Se calhar o melhor é pedir horas de 120 minutos. Ou, aquilo que realmente resolveria o problema, que eu pudesse passar a fazer tudo duas vezes mais rápido.

Ai, e este monitor que continua a precisar de ser limpo. E eu que me esqueço sempre de comprar o produto para isto. E a porcaria do teclado, cheio de pintas de sabe-se lá o quê... Alguém sabe de alguma maneira eficiente de limpar um teclado? Uma vez tirei-lhe as teclas todas e dei-lhe banho. Foi giro e resultou bem. Mas deu uma trabalheira... e voltar a pôr a teclas todas no mesmo sítio? É um belo exercício de memória... Aconselho vivamente.

(e agora este post vai virar louco)

Há uma data de anos, os meus pais compravam aquelas revistas das Selecçoes. Lá dentro, às vezes, vinham uns cupoes para todo o tipo de cursos, ofertas especiais de livros ou enciclopédias, e coisas assim. Uma vez encontrei um desses anúncios com cupoes que perguntava "tem boa memória? responda-nos a esta questao com o cupao abaixo, e receba um teste de memória grátis, bem como informaçoes sobre o nosso curso "como melhorar a sua memória"". Eu achei piada à ideia, e mandei o cupao. Passados uns tempos, recebi uma carta no correio dos tais senhores, a informarem-me sobre o tal curso para melhorar a memória. Quanto ao teste, nada. Aí, eu pensei, bem, das duas uma. Ou os gajos se esqueceram do teste de memória, e aí a memória deles é pior que a minha, sendo que nesse caso quem sao eles para dar cursos sobre memória, ou entao, o teste de memória era ver se eu me lembrava de que eles tinham prometido enviar um teste, e como eu me lembrei, entao a minha memória está óptima, e nao vale a pena pedir mais informaçao nenhuma.
De qualquer forma, a minha memória é excelente. Tirando o pormenor de confundir o ano em que estamos (já há vários meses que eu estou em 2006, ao contrário da maioria das pessoas, e há uns dias até me aconteceu deitar fora uma embalagem de polpa de tomate porque a validade já tinha acabado em agosto de 2006), e a semana em que estamos (por exemplo, naquele sábado em que me levantei super cedo para ir ao bazar na escola do miúdo, que afinal era na semana a seguir, e ainda hoje estava convencida que amanha tinha uma reuniao super-importante que afinal só é na quarta da próxima semana - se nao fosse o meu filho a avisar-me lá estava eu amanha, feita parva, à espera de quem só virá na próxima semana), e nunca me lembrar de quantos anos tenho (mas normalmente consigo-me lembrar de quantos anos tem o meu miúdo, pelo que me guio por ele, embora me pareça inacreditável que ele já tenha a idade que tem, e que eu já tenha a idade que tenho... afinal, eu sinto-me como se tivesse 18 anos, embora saiba mais coisas do que nessa altura, e sinto-o como se ainda tivesse uns 2 anitos, embora já se porte como um homenzinho).

Vêem a confusao que está este post? É como eu ando, numa confusao desgraçada. Nao sei como é que consigo que a vida continue a funcionar normalmente (devo ser mesmo boa). Felizmente ando adiantada. Se andasse atrasada é que já nao havia remédio.
4 comentário(s)

Grrrrrrrrr

Hoje foi um daqueles dias... Fui obrigada a sair do trabalho mais tarde, o que até poderia nem me incomodar, se tivesse sido por uma boa razao. Mas nao, uma reuniao que deveria ter durado meia hora (no máximo!) prolongou-se por duas horas totalmente desperdiçadas a discutir o sexo dos anjos. E no fim, o responsável ainda tem a lata de dizer que achou a discussao muito útil. Eu dou-lhe o útil. À próxima vez que me tentarem apanhar para uma destas, fujo!

Detesto perder tempo com coisas inúteis, principalmente quando tenho coisas muito mais importantes à minha espera. Hoje, por exemplo, acabei por nao fazer as compras que tinha planeado. E as compras sao muito, mas muito mais importantes, do que imaginar milhoes de cenários hipotéticos de entre bilioes de cenários possíveis. E ainda para mais, discutir esses cenários com base em argumentos incompletos, errados, e mal fundamentados. Raios partam esta gente que nao tem mais nada que fazer.

Para piorar ainda mais a situaçao, amanha vou ser obrigada a perder mais uma manha inteirinha com mais uma catrefada de balelas que nao interessam nada. E no fim, o chefe ainda tem a lata de pedir que trabalhe mais... Já estou como o outro, eu trabalho, mas é se me deixarem!!!

Lembram-se dos tous (dos bollycaos)? Hoje, TOU GRRRRRRRR.
0 comentário(s)

Aviso

Ao pessoal que vem para aqui doido à procura do blog da moranguita, ele está aqui. Agora desamparem-me a loja. :P
1 comentário(s)

segunda-feira, novembro 07, 2005

Encontros imediatos

Para fazer um batido: fazer a vaca cair e ordenhá-la de seguida.
O tempo é real. Fazer uma pausa não pára o relógio.
Se o carpinteiro nos diz, às 8 da noite, que demora 8 horas a construir uma divisão, ela só estará pronta às 4 da manhã. Não adianta ficar agarrada, à espera.
É possível alterar o tempo, mudando o relógio do sistema. No entanto, se o fizermos, aparecem os extra-terrestres, porque viajámos no tempo.

Não confundir com a realidade. Estou a falar dos Sims2, para Nintendo Ds. (E já agora, não é que os sacanas fizeram um jogo com o mesmo nome para o Gameboy, que é totalmente diferente do jogo para a Nintendo DS??!!!)
0 comentário(s)

A natureza e eu

I am at two with nature.
Woody Allen


Numa só semana, matei a minha segunda tentativa de ter uma planta em casa. Desta vez rosas, que supostamente apenas precisavam de água de dois em dois dias. Já murcharam. Eu li as instruções, mas o meu cérebro tratou de as esquecer logo a seguir.
3 comentário(s)

A prova de que eu sou louca

Lembram-se do tragabolas? Era um jogo com uns hipopótamos que tinham que engolir umas bolas... Bem, eu nunca tive um, mas devo ter ouvido o anúncio tantas vezes, que ainda sei a música de cor! E neste momento, esta é a música que está a tocar na minha cabeça:

♪Traga traga bolas hipopótamos comilões♪
♪Tu vais contar as bolas que vais agarrar♪
♪E papar com hipopótamos!!!!♪
♪(traga traga bolas)♪
3 comentário(s)

Cúmulo do optimismo

Faltam 4 dias para o fim de semana. Adoro segundas feiras.
1 comentário(s)

domingo, novembro 06, 2005

Porque é que deixei de chamar "puto" ao meu filho, na presença dele

Os miúdos sao lixados. E inteligentes. Por exemplo, rapidamente percebem que, na maioria dos casos, para fazer o feminino de uma palavra masculina, basta trocar o "o" no fim por um "a". Assim sendo, quando um dia o miúdo se referiu a uma coleguinha como "a puta" (com o ar mais angelical do mundo), deixei de o tratar por puto. Agora, só quando ele nao está por perto.
5 comentário(s)

sábado, novembro 05, 2005

Pesquisas

Tenho reparado que há imensa gente que chega a este blog à procura de coisas que estao cá, mas que, pela análise das páginas de entrada e de saída indicadas no sitemeter, nem sempre me parece que tenham encontrado o que queriam. Em certas situaçoes, é como se estivessem à procura de uma agulha num palheiro.

Às vezes fazemos pesquisas no google e aparecem-nos uma data de sites que contêm as palavras-chave que procurávamos. No entanto, ao abrir alguma dessas páginas, aparece-nos um site com tanta coisa, que muito dificilmente encontramos a palavra que sabemos que está lá (ok, muito provavelmente está lá, mas nao é 100% garantido). Nessas situaçoes, o melhor é usar um truque: em vez de abrir o primeiro link no google (aquela primeira linha que indica o nome do site que se vai abrir), clicar onde diz "cached", um pouquinho mais abaixo. Assim iremos abrir uma página que está guardada nos computadores do google, onde aparece marcada a palavra que procurávamos. Descendo na página é muito mais fácil encontrar entao as partes que nos interessam.
1 comentário(s)

sexta-feira, novembro 04, 2005

Blog do dia

Ora aí está mais um blogue cheio de piada. E nao é boato, é mesmo verdade.
0 comentário(s)

Aviso à navegação

Parece que algumas pessoas compreenderam mal os meus posts anteriores. Eu não ando triste/ deprimida nem nada do género. Ando muito, mesmo muito, contente e bem disposta. Provavelmente é do tempo, o sol põe sempre muito feliz, mesmo sem razão aparente.
Como dizia alguém, não tentem perceber-me pelo meu blog.
0 comentário(s)

Louca por roupa (?)

Gosto de roupa. E de calçado - sapatilhas, botas, sapatos, chinelos, sandálias. E gosto de ir às compras, e trazer qualquer coisa nova, nem que seja só uma t-shirt baratinha e muito simples, ou um top de alças de uma só cor. Às vezes acho que tenho roupa a mais, que devia deitar a metade que nunca uso fora, e nunca mais comprar nada a não ser peças que substituam outras que deveriam ir para o lixo. Mas é difícil. É difícil resistir a um par de calças especiais, ou a uma t-shirt especial, ou a um casaco super giro de uma cor que ainda não se encontra no nosso guarda roupa. Isto, claro, se o preço estiver dentro dos limites, que eu não sou "louca por compras".
Apesar de gostar de coisas novas, o que eu acho mais difícil de tudo é deitar fora roupa e calçado, que por algum motivo já não deveria usar. Aquele casaco vermelho que levei na minha viagem a Londres (falo sempre "da" viagem a Londres, apesar de não ter sido uma viagem a Londres, e de ter estado várias outras vezes nessa cidade), que entretanto ganhou um buraquinho, está guardado há uns anos sem que eu o use. O casaco castanho que fazia conjunto com uma saia, super giro, que já não uso desde que vim para cá, porque deixei de usar saia e casacos curtos no tempo frio (e para o verão, é um conjunto muito quente). Aquelas sandálias que já devem ter uns 8 anos, que não uso há nem sei quanto tempo, entretanto perderam a forma e não têm piada nenhuma, ainda contiuam a ocupar espaço num armário. E as botas que eu adorava usar há décadas atrás (sim, é um exagero), já nem me servem (apertam-me), e nem assim me livro delas.
O mais difícil de tudo, é deitar fora a t-shirt giríssima que comprei na primavera deste ano e que tem um buraquinho pequenino em baixo. Aquilo quase nem se vê, digo eu, porque me custa tanto separar-me dela, mas não posso ir trabalhar com uma t-shirt rota. E a outra t-shirt comprada na mesma altura, cuja costura se estragou num sítio que não dá para arranjar, por ser uma costura com um desenho especial feito à máquina e que se vê por fora.
Associo a roupa e o calçado, mais que outros objectos, a estádios da vida, às ocasiões em que os usei, às pessoas que ma ofereceram, e por isso custa-me deitar fora aquele pedacinho de mim. Ainda tenho t-shirts velhas e gastas, que as minhas manas ou as minhas amigas me deram, mesmo que já não as use, porque me custa separar-me daquele pedacinho de amor e carinho que ali está.
Quando deitar fora aquela t-shirt velha, já não vou pensar na minha amiga quando a vir, porque já não a vou ver (a t-shirt, não a amiga). Quando deitar ao lixo aquele casaco vermelho, se calhar vou esquecer o quão orgulhosa me senti no dia em que o comprei.

Esta história toda fez-me lembrar o casaco que o meu pai me comprou quando entrei para a universidade. Esse ainda uso, porque me fica muito bem, mesmo depois destes anos todos. De cada vez que lhe pego, lembro-me daquele novo começo (a universidade). Lembro-me do meu pai, e o quanto ele gosta de ir às compras. E da chuvada imensa que uma vez apanhei com aquele casaco, em que fiquei com a roupa completamente encharcada apesar de só ter estado uns 10 minutos à chuva.
0 comentário(s)

quinta-feira, novembro 03, 2005

Sei que está na hora de ir embora...

... quando vem o pôr do sol, que eu vejo reflectido nas janelas do prédio aqui em frente. Este Outono é assim. A chuva é pouca, ou vem em alturas estratégicas, e o sol tem aparecido quase todos os dias, como que para compensar o Verão horroso que não tivemos. Todos os dias apanho sol à hora de almoço, na rua, de top, apesar de de manhã trazer sempre o casaco. Este tem sido o melhor Outono de sempre.
4 comentário(s)

Os astros estão comigo

Sou sénior! eheheh eu, sénior, ainda pensei que estavam a brincar comigo! A parte melhor é que me vou finalmente ver livre da chata/ melga/ macaca de imitação que às vezes me põe os cabelos em pé!
Trabalhar vai passar a ser um prazer ainda maior! :)
2 comentário(s)

Empty Recycle Bin

Não te esqueci, no sentido de ter apagado aquilo que vivemos juntos, e da mesma maneira que não se esquecem aqueles que em algum ponto da vida nos fizeram rir, ou chorar. Mas és-me totalmente indiferente. Não te desejo mal, mas não quero saber o que te acontece, não me interessa a tua vida, não me interessa se tens sucesso ou não, não me interessas nada. E nem sequer tenho curiosidade sobre se sentes o mesmo. Não sei se deitaste fora as minhas coisas. Mas deita, se quiseres, porque eu também não as quero, e poupas-me o trabalho de me livrar delas.

Já és uma memória distante, como as recordações da escola primária. Ainda me lembro de alguns miúdos da minha classe, mesmo alguns que tão pouco tempo lá estiveram. Mas não sei nada deles, e na verdade nem quero saber. A vida continuou, andou, mudou, e quem eu era nessa altura não tem nada a ver com quem sou hoje.

Há pessoas que voltam atrás na memória, e imaginam um futuro diferente do que o que construiram. Quando eu imagino o que poderia ter sido, tenho a certeza que, por caminhos mais ou menos retorcidos, era aqui, onde estou e onde sou hoje, que eu teria vindo parar. Sou feliz assim e nem sei como poderia ser ainda mais feliz. Deve ser a isto que chamam destino. Toda a minha vida lutei por um objectivo, que no limite me levaria sempre aonde estou hoje, sem que eu o soubesse. E mesmo que tivesse mudado algumas decisões chave que tomei até hoje, sei que era aqui que viria parar. Destino, fado... Eu acho apenas que no fundo, eu sempre soube muito mais do que aquilo que realmente me apercebi.
1 comentário(s)

Ponto Final

Deitei tudo aquilo que me fazia lembrar de ti fora. Esvaziei os espaços que ainda eram ocupados com as coisas que foram a minha vida, a nossa vida, e ocupei-os com aquilo que agora é a minha vida sem ti. Finalmente, estou livre. Completamente livre.

*ok, na verdade ainda deve haver alguma coisa na arrecadação. Mas juro que logo que lhe ponha os olhos em cima, vai também para o lixo, que é onde deve estar. As coisas materiais não fazem falta, já dizia o outro.
3 comentário(s)

quarta-feira, novembro 02, 2005

Cortes

O meu cabelo já me andava a irritar há umas semanas largas. Isto provavelmente porque da última vez cortei o cabelo por cá, num daqueles salões em que nem os empregados me entendem nem eu os entendo a eles (o meu alemão não é grande coisa, mas o deles também não, é por isso). De qualquer modo, na altura fiquei contente, a empregada tinha-me feito um penteado montes de giro, e eu andei nas nuvens por uns dias. Mas já há umas semanas que não estava nada contente. É que normalmente eu corto o cabelo pouquíssimas vezes por ano. Odeio ir a cabeleireiros, esperar, lutar para que não me cortem mais do que os 2 cm da praxe, aguentar enquanto me arrepanham a cabeleira para não desatar a chorar. Houve até ocasiões em que tive que obrigar uma idiota cabeleireira a parar de me puxar o cabelo com a escova. O meu couro cabeludo é muito sensível, não pode ser maltratado por qualquer um munido de tesoura, secador e escova.
Então ontem, estava eu a olhar para o meu cabelo molhado, e a imaginar de que maneira é que eu ia evitar ir à tosquia antes do Natal (quando for a Portugal, fazer uma visita ao meu cabeleireiro favorito). Ele até nem estava muito mal, mas tinha umas melenas à frente que deviam ter sido escaladas mas faziam uma linha horizontal horrorosa. Então... peguei na tesoura, e pimba! O primeiro corte nem ficou lá muito bem (embora seja melhor do que o que estava), mas o resto ficou lindamente. E sem puxões, repelões, e outros traumas provocados por certos carniceiros que se apelidam de cabeleireiros. Estou linda, e prontinha parar aguentar até ao Natal!
2 comentário(s)

O cromo das meias

Anda por aí um gajo que me faz rir só de olhar para a roupa que traz vestida. Além de usar meias com sandálias (no trabalho), como qualquer alemão que se preze, tem um sentido estético, digamos, diferente da média. A mãe dele deve ter-lhe ensinado que a roupa devia combinar, mas provavelmente esqueceu-se de um detalhe muito importante: o que é que deve combinar com o quê. É que quando o moço anda de t-shirt cor de laranja e umas calças pretas, uma pessoa até pode nem reparar no que há ali de muito errado, se ele estiver calçado. É que ainda para mais o tipo tem a mania de tirar os sapatos (ou as sandálias, ou o que for) nas reuniões de trabalho. E aí, é difícil manter a compostura e não desatar a rir. Não é que o tipo combina sempre as meias com as camisolas??? Camisola vermelha - meia vermelha, camisola laranja - meia laranja. Ainda para mais, ele adora camisolas de cores berrantes. E as meias, que não têm culpa do dono que têm, lá saltam à vista, de dentro de uns sapatos pretos, e mesmo à beira de umas calças pretas, naquela "zona" onde tudo deveria ser mais ou menos igual.
1 comentário(s)