quarta-feira, setembro 20, 2006

Livros de Amigos

Quando eu andava no ciclo, portanto, há imensos anos, nessa altura dizia-se ciclo ou escola preparatória, pelo menos na minha zona até porque a escola era nova e dizia na tabuleta que era uma "escola preparatória", dizia eu, quando eu andava no ciclo, sentindo-me tão crescida porque já não andava na primária, e até tinha um horário e tudo, e aulas diferentes de uma hora para a outra, com um intervalo entre duas aulas que só durava 10 minutos mas dava para jogar à bola ou ao "arranca-cevada" que era para dar cabo dos costados a uns miúdos ou até os meus próprios, nessa altura as meninas, normalmente eram as meninas, gostavam muito de algo a que chamávamos "inquéritos". Alguém comprava um caderno, escrevia uma pergunta em cada folha, e depois esse caderno passava pelas meninas todas, pelo menos, por alguns meninos também, e toda a gente tinha que responder. As perguntas variavam conforme a idade mental da dona do caderno, podiam passar pelo "quais os teus desenhos animados preferidos" até "qual a tua banda preferida" - toda a gente sabe que a primeira pergunta só pode vir de uma criança, enquanto que a segunda é reservada a adolescentes ou jovens (ia dizer adultos também, mas depois comecei a pensar quando é que foi a última vez que alguém me perguntou qual a minha banda preferida sem ser na net, que na net não conta porque temos todos praticamente a mesma idade, na net somos todos teenagers, assim em inglês e tudo, mesmo que já tenhamos 70 anos e tentemos escrever em blogues enquanto os netos nos saltam para o colo e pedem para deixarmos o computador para eles, então dizia eu que a última vez que alguém me perguntou qual a minha banda preferida foi já há tanto tempo que eu já nem me lembro).
Nessa altura era tudo diferente, pois, foi há tanto tempo como é que poderia ser igual, comprávamos a Bravo no quiosque por causa dos posters pois a revista vinha em alemão e ninguém compreendia uma palavra, mas comprávamos na mesma, é para verem como os tempos eram diferentes, que eu há uns tempos descobri que agora já a a Bravo em português e até trás posters dos D'zrt e tudo.
Os anos passam, os tempos mudam, tudo é diferente, mas no fundo no fundo, os miúdos não são assim tão diferentes. Se calhar já não há cadernos com inquéritos (mas emails com inquéritos, isso há, suponho é que não circulem entre miúdos do ciclo), mas há outros cadernos. Nem são bem cadernos, são livros. Os livros dos amigos. Provavelmente inspirados nos antigos cadernos dos inquéritos, eles livrinhos devem ser um sucesso de vendas maior do que os livros escolares. Todos os miúdos da sala do meu filho têm um, e até deve haver miúdos com mais do que um caderno, que aquilo é uma praga que nunca mais acaba. O meu puto, com a paciência que só um miúdo pode ter, lá vai recebendo um livrinho de cada vez, preenchendo a página que lhe corresponde, colando uma foto dele para que o tal amigo, dono do livro, nunca mais se esqueça dele. E responde à perguntas do tal livrinho. Qual a cor preferida, disciplina preferida, jogo favorito. E coisas que mudam mais depressa do que o pensamento: qual a profissão que gostava de ter um dia (condutor de autocarro, engenheiro, matemático, cientista, bombeiro, jogador de futebol, e a última: jogador profissional de jogos para consolas), ou qual o melhor amigo ou qual a sua música preferida (esta muda sempre que o deixo ouvir música no meu leitor de mp3).
Estes livrinhos são giros. Não sei se os miúdos os apreciam, mas eu gosto imenso de me sentar com o meu miúdo a ver as respostas dos outros amiguinhos dele, e as dele também. Fica-se a saber coisas que nunca nos passaram pela cabeça. Que há um miúdo que pratica rugby. Que há miúdos com um belíssimo sentido de humor. Alguns miúdos, tão pequeninos que eles são, e já estão com a cabeça nas futuras namoradas. E outros, tão pequeninos e já se levam tão a sério. Sinto-me uma privilegiada por ainda poder ler estas coisas. É que na minha idade, já ninguém com juízo faz cadernos de inquéritos.
5 comentário(s)

5 Comentário(s):

Ha! Magníficas recordações, as dos cadernos de inquéritos! Espanta-me que ainda haja quem os faça. Realmente os miúdos mudam, mas nem tanto :) Tenho lá um guardado feito por mim, mas que nunca chegou a ter muitas respostas por manifesta preguiça de o passar à escola toda...

A Bravo em alemão, pá! Também a comprava religiosamente, na altura em que a minha banda favorita eram...[segue-se revelação algo bombástica, algo vergonhosa - e perdoe-me quem ainda for fã] os Guns&Roses!

By Blogger izzolda, at 5:00 da tarde  

Eu tinha um poster gigante do Axel Rose na porta do meu quarto. E ouvia as cassetes dos Guns no rádio do carro, e o meu pai nem dizia nada, e eu só pensava que aminha sorte é que ele nao sabia inglês eheheh. :)
(vergonha de gostar de Guns??? mas porquê? :P)

By Blogger Snowgaze, at 9:19 da tarde  

Eu tinha um poster gigante do Axel Rose na porta do meu quarto. E ouvia as cassetes dos Guns no rádio do carro, e o meu pai nem dizia nada, e eu só pensava que aminha sorte é que ele nao sabia inglês eheheh. :)
(vergonha de gostar de Guns??? mas porquê? :P)

By Blogger Snowgaze, at 9:20 da tarde  

Ai, que me fizeste voltar atrás no tempo em tão poucos segundos...

Os inquéritos, os livros de amigos, ou os livros de autógrafos da turma, chamem-lhe o que quiserem, sempre foram um sucesso nas camadas do ciclo (e no liceu aí até ao 7°-8° ano, porque depois já éramos muito crescidas para essas coisas de "crianças").
E sim, também eu andei num ciclo! Só depois de ter saído ao fim dos dois anos é que os miúdos começaram a andar em escolas preparatórias, e agora até parece que já só andam no segundo ciclo do ensino básico, ou lá como lhe chamam. Para mim, será sempre o ciclo!


E já agora, ó izzolda, vergonha de ser fã do Guns porquê? Também eu tinha montes de posters deles, mas eu era mais o Slash - ai, aqueles caracóis...!! Ainda hoje tenho os discos todos, grande parte comprada posteriormente em CD mas alguns LPs ainda em vinil.
E ainda hoje gosto de os ouvir, não só os mais antigos... O núcleo da banda (Slash - Duff - Matt Sorum) existe sem o Axl Rose à frente, mas com um outro guitarrista e um senhor de nome Scott Weiland cuja voz também não lhe fica a dever nada (embora sem aqueles infindáveis "aaaaahhhhhh" no final das músicas, que isso não é para qualquer fôlego!). Dão pelo nome de Velvet Revolver e recomendo o CD Contraband do princípio ao fim! A guitarra do Slash é inconfundível, os solos fortes e vibrantes, e a balada nr. 13 "Loving the Alien" deixa-me arrepiada...
Se alguém descobrir primeiro que eu quando é que eles fazem uma tournée pela Europa, avise, se faz favor!

Quanto aos Guns em si, também continuam só com o Axl e novos músicos a acompanhar, mas não tenho ouvido nada deles (sim, o Rock in Rio Tejo passou-me um bocadinho ao lado, diria aí a uns 2500 km...)

Vergonha, vergonha, é tentar explicar a um alemão que com 10 aninhos apenas (mea culpa, mas a tenra idade perdoa...) se era fã dos Modern Talking!! É que os gajos por cá são considerados tão fatelas que vocês nem imaginam, é pior que pimba! Ai, que vergonha, mas assumo que sim, que até tenho dois LPs de vinil deles e deixo os alemães a olhar para mim entre o desconfiado (será que ela não está a regar?) e o ar de gozo ('tadinha, que pirosa que ela era com 10 anos!). Diverte-me imenso deixá-los assim.

By Blogger bruxinha, at 5:04 da tarde  

Xi....também tinha! Cadernos de inquéritos, de dedicatórias...Cadernos forrados com imagens que cortava de revistas...que maravilha...ricos tempos!!! E os livros da escola (e da faculdade...cof cof..) todos rabiscados porque as aulas eram uma seca?! :)

By Blogger Nocas, at 8:23 da tarde  

Enviar um comentário página inicial