sábado, junho 04, 2005

Um negócio que nao é da China

Todos os anos, por altura do outono, embora possa variar, costumo receber na caixa de correio uns sacos de plástico vazios, e instruçoes de uma ONG para encher o tal saco com roupa velha ou sapatos que já nao sirvam. Por um lado é uma maneira prática de me livrar de coisas que já nao quero - por exemplo roupa do miúdo que já nao lhe serve e muitas vezes ainda está em boas condiçoes - e ao mesmo tempo ajudar alguém. No entanto estas acçoes sao tao espaçadas, que para estar a guardar as coisas até que alguém venha recolhê-las leva a uma grande acumulaçao de tralha, ao longo do ano. Ora há uns tempos reparei que também há uns contentores espalhados pela cidade, onde se pode entregar essa roupa e sapatos, e ainda roupa de cama ou toalhas (embora nao perceba o conceito de dar roupa de cama e toalhas, a nao ser para situaçoes específicas). Como há um desses contentores perto da minha casa, passei a depositar lá as coisas.
Há uns dias atrás, estava a ver num canal qualquer de televisao um programa da BBC. Nao vi desde o início, mas basicamente havia um tipo que andava pelos países subdesenvolvidos a tentar comprar tecido típico dos locais, que depois enviava para Londres, para estudantes de moda fazerem um vestido com os tecidos que ele enviasse. Até aqui tudo bem. No entanto, na passagem por países africanos deste homem, ele deparou-se com uma realidade interessante. Por um lado, foi-lhe extremamente difícil encontrar os tais tecidos tradicionais. Por outro lado, os mercados desses países vendiam roupa tipicamente ocidental. Marks & Spencer, Adidas, Nike, tudo aquilo que nós temos acesso por aqui. E os africanos compravam ali tudo o que havia. O que parecia estranho eram os preços: uma t-shirt Calvin Klein custava 50 cêntimos de euro. Isto porque a roupa vendida nesses mercados é roupa em segunda mao, que foi doada por europeus como eu. O senhor que estava a procurar os tecidos tradicionais foi falar com alguém do governo do país. E descobriu que a indústria têxtil do país estava em declino devido a estes mercados, e que a única preocupaçao do governo seria no futuro proibir a venda de roupa interior nesses mercados - o político entrevistado achava nojento alguém usar as cuecas que já outra pessoa tinha usado.
A seguir ao programa, algo fez click na minha cabeça. Alguém anda a recolher a roupa e calçado que eu dou, de graça, e a ganhar dinheiro à custa disso. Se fosse uma ONG como por exemplo a Cruz Vermelha, que é uma das organizaçoes que deixa o saco na minha caixa do correio uma vez por ano, óptimo. Mas aquele negócio é grande demais para ser apenas resultado da Cruz Vermelha e outras ONGs venderem a roupa que recebem.
Fui ver o caixote de recolha onde costumo entregar estes itens. Tem afixada uma etiqueta. Aliás, duas. Uma diz que quem for apanhado a roubar o que estiver dentro do contentor será obrigado a pagar uma multa de 25€. A outra diz "por favor ajude" e tem um número de um telemóvel.
Ao tentar telefonar para o número indicado, a indicaçao é de que o número nao se encontra atribuído. Ou nunca existiu, ou foi desactivado. O facto de ser um telemóvel, leva a crer que alguém anda a fazer negócio com a minha boa vontade, e a boa vontade de outros. Agora nao sei o que vou fazer com a roupa e calçado que já ninguém usa cá em casa. Mas uma coisa é certa. Nao vai parar aos contentores espalhados pela cidade.
9 comentário(s)

9 Comentário(s):

como é que fizeste para que te entreguem os saquinhos da Cruz Vermelha em casa? e depois vao buscá-los ou tu é que os depositas num contentor próprio? é que eu também nao gosto muito de doar coisas a quem nao sei o que faz com elas.

By Blogger Polliejean, at 4:23 da tarde  

Começa-se a perder a confiança nestas organizações ditas de caridade..
Eu, quando ainda estava em POrtugal, costumava dar comida ao banco alimentar quando eles faziam aquelas companhas nos hipermercados, mas também já ouvi dizer que aquilo é um negócio... Não sei se é verdade, mas já não me admirava se fosse.

By Blogger esdruxulina, at 5:52 da tarde  

Nao fiz nada. Eles é que em certas alturas do ano poem os saquinhos nas caixas de correio das pessoas e avisam que vêm buscá-los, de preferência cheios, uns dias depois.

By Blogger Snowgaze, at 10:19 da tarde  

Aqui a Cruz Vermelha não deixa os tais saquinhos, mas de vez enquanto deixa uma informação na cx de correio a avisar que em tal dia no local "X" estará um contentor deles para as pessoas lá deixarem as coisas. Também podes entregar nos hospitais que trabalhem com a Cruz Vermelha, é o que eu costumo fazer.

By Blogger Micas, at 11:39 da tarde  

Eu queria doar umas coisas que estão aqui em casa. Mas um ex namorado meu já trabalhou nessas coisas, e já me contou muitas histórias parecidas, que me deixaram triste. Me fizeram ver que minha boa vontade de nada adiantaria para aqueles que realmente precisam.

By Blogger mariah1979, at 1:23 da manhã  

e' melhor dar (independentemente de quem recebe) do que deitar no lixo!

cada um recebera a recompensa da vida de acordo com o que faz!

:)

By Blogger Nic, at 2:33 da manhã  

Snow!...
Volta!

By Blogger Rita Dantas, at 2:30 da tarde  

Entao, a ter que fazer dinheiro com isso fazes tu. Pq nao por na ebay? (olha que má fé a minha!)

By Blogger Minhoca,a verdadeira, at 5:15 da tarde  

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

By Blogger Minhoca,a verdadeira, at 5:15 da tarde  

Enviar um comentário página inicial