quarta-feira, junho 15, 2005

Estatísticas

23% dos habitantes de Munique nao sao alemaes. 7% vêm de outros países da UE.
23% é muita gente. É quase 1 em cada 4. Eu acho giro. Ando na rua e ouço falar línguas que nao conheço. Ou que conheço, como o espanhol, italiano, francês, inglês ou português. E quando ando às compras, principalmente em lojas de roupa como a Mango ou a Benetton, volta e meia acabo a entender-me com as empregadas em portunhol. Ou português. Há imensas sul americanas por cá. E costumam ser umas queridas, porque ao contrário dos "nuestros hermanos", elas esforçam-se para me entender, sem que eu tenha que falar arranhar espanhol.
Depois há as coisas estranhas: as mulheres tapadas com uns lençóis pretos (ok, eu sei, nao sao nada lençóis) da cabeça até aos pés, das quais só se vêem os olhos. E aquelas, vestidas da mesma forma, que andam com um metal na cara que quase parece um açaime para a zona do nariz e olhos. Isso ainda acho muito esquisito. Há quem me diga que é bom, essas mulheres andarem pela rua, dizem que antigamente nem assim tapadas nem de outra forma, essas mulheres ficavam em casa prisioneiras e nunca saíam.
E também há muitas mulheres muçulmanas que se tapam muito, mas ainda deixam a cara à mostra, tapando o cabelo todo, ou quase todo. Às vezes acho-lhes graça, por exemplo quando ando a ver lojas de roupa, e as vejo comprar o mesmo que eu. No inverno , o lenço chama-me a atençao por parecer ser uma boa protecçao contra o frio. E gosto das cores dos lenços. As miúdas mais novas às vezes prendem-nos aos cabelos com uns ganchos às cores.
E há as russas. Reparo naquelas mais produzidas, mulheres novas mas com maquilhagem que nunca mais acaba, extremamente exagerada. Outras, mais raras, parecem ter acabado de sair de um anúncio.
E há bebés. Muitos bebés. Talvez nao sejam tantos quantos o que se apregoa como "necessário", mas vêem-se imensas maes com miúdos pelas maos. Ou pelos carrinhos de bebé, mesmo quando o "puto" já tem mais que idade para usar as pernas. Aos dois e três miúdos por mae, possivelmente para compensar tantas outras que acham que nao podem ter filhos e ao mesmo tempo trabalhar e que por isso se ficam pelos escritórios e esquecem as fraldas. Há muitas maes quarentonas, ou quase.
E há homens de todos os feitios. Acastanhados, indianos, turcos, russos com bigodes farfalhudos. Bávaros de nascença ou de Oktoberfest, que gostam de usar as suas Lederhosen e os chapéus de caça com um penacho. Homens que gostam de andar com os miúdos às cavalitas, e homens que se sentam à mesa do restaurante sem ligarem pevide à família, enquanto a mulher dá de comer aos três filhos. Homens que trabalham nas obras e nao mandam bocas às mulheres que passam. Homens que se sentem orgulhosos por trabalharem e ganharem o suficiente para as mulheres ficarem em casa com a prole. Homens que ficam em casa com a prole enquanto as mulheres vao ganhar o sustento da família. Italianos que têm restaurantes, africanos de países de expressao francesa, de cor escura e sorriso aberto. Homens loiros de olhos azuis. Homens morenos de olhos azuis. Homens morenos de olhos castanhos. Homens de pele muito branca, mas pêlos e cabelos e olhos escuros. Homens de camisas amarelas, que escolhem viver com homens, e que discutem sonoramente na rua. Homens que passeiam os caes. Homens que se passeiam em descapotáveis, mesmo que só estejam 14 graus e prestes a chover. Carecas em descapotáveis. E mulheres em descapotáveis. E mulheres ao volante de "grandes bombas".
Rastas que brincam com fogo e têm consigo o sempiterno cao. Miúdos, adolescentes, jovens por todo o lado. E turistas de câmaras em punho também. Turistas japoneses, americanos, franceses, espanhóis, portugueses, italianos. E para os entreter, uma catrefada de artistas de rua vindos dos quatro cantos do mundo e com certificado de qualidade da câmara municipal.
É assim que eu vejo Munique. Uma grande mistura de gente de todo o género e feitio. E isto sem dizer o que se passa ou onde, e em que sítios se passa o quê ou quem frequenta cada local. Essa parte fica para outro post.
7 comentário(s)

7 Comentário(s):

Adorei.... o texto está um espectáculo, e no fundo reflete um pouco aquilo que vejo a acontecer aqui em Cardiff... com a diferença que as mãezinhas com as crianças são na sua maioria adolescentes (o país de gales tem das maiores taxas de gravidez na adolescência da europa) jokas grandes

By Blogger Ana, at 9:30 da tarde  

Snow,
eu tambem acho Munich uma cidade lindissima.
A ultima vez que la estive vi-a assim, achas que a vi bem?

http://viajeans.blogspot.com/2004/04/tripping-in-munich-capital-of-bavaria.html

By Blogger Nic, at 2:48 da manhã  

nic: belas fotos!!! acho que o defeito de viver numa cidade assim é que nos esquecemos de tirar uns instantâneos de vez em quando. E há tanta coisa gira!

By Blogger Snowgaze, at 9:08 da manhã  

Que delícia de texto. Adorei. Gosto de reparar, falar, escrever, ler sobre esse assunto. acho fascinante essa mistura. Gostava que Groningen fosse menos "pura", um pouco mais de línguas e culturas sabia bem. Amsterdam talvez se assemelhe mais.
Está decidido, tenho de ir a Munique.
Beijos.

By Blogger correioverde, at 9:40 da manhã  

Sim senhora, vejo munique com os teus olhos. Um verdadeiro melting pot. Quanto às muCulmanas, um pormenor que me chama a atenCao sao os sacos Escada, Cartier e outras marcas do género, caras. Elas ostentam dinheiro.
Quanto aos descapotaveis, reparo mais NELES, e quando um tipo giro passa devagar no seu descapotavel, é impossivel nao olhar e nao pedir boleia (a parte da boleia nao!)
E gosto das cadelinhas das madames enfiadas em carteiras, com lacinhos e com aquele ar mais de roedor do que cao!
Dentro das línguas que oico a mais frequente é o espanhol. E no metro acho-lhes piada quando falam de maneira tao solta por acharem que ninguem percebe. No metro é que as minhas antenas vao sempre ligadas :)

By Blogger Minhoca,a verdadeira, at 10:49 da manhã  

viva o multiculturalismo!!!

em Berlim é mais ao menos assim, tirando as mulheres muculmanas que nao têm dinheiro para comprar roupas caras e a percentagem de estrangeiros que deve ser ligeiramente maior. E daí talvez nao. Mas parece. E é tao bom que seja assim! :)

By Blogger Polliejean, at 7:21 da tarde  

Uau, fiquei com vontade!

PS:As muçulmanas de Berlim têm menos dinheiro, mas nunca vi máscaras de ferro nem lençóis e em wedding via-se muitas vezes mulheres q usavam lenço cheias de filhas sem eles, o que me parecia muito positivo!

By Blogger Rita Dantas, at 8:03 da tarde  

Enviar um comentário página inicial