sexta-feira, junho 03, 2005

Educação sexual?

Eu não posso dizer que tive a educação sexual que devia ter tido. Nem educação sexual, propriamente dita, nem em casa nem na escola. Os meus pais pouco falavam dessas coisas, e se falassem era apenas para dizer que eu não me devia meter nisso. E isto é pôr as coisas em termos muito leves.
Para além das aulas de biologia, onde se aprendia a morfologia dos órgãos sexuais e pouco mais, a única fonte de informação era a revista maria. Dá para a acreditar? E a maria nem era uma revista que a minha mãe comprasse, eu e as minhas amigas é que a líamos à socapa sempre que arranjávamos uma!
Claro que sabia que havia preservativos. Mas não sabia muitas outras coisas. E ainda hoje é provável que não saiba, embora hoje haja uma diferença muito grande. Se tiver uma dúvida sei a quem perguntar.
Como adolescente, a informação era pouca, manifestamente insuficiente, e isto, provavelmente, porque aquilo que se esperava dos adolescentes é que não se pusessem para aí a ter sexo uns com os outros. As únicas coisas que se ouvia dos adultos era para não fazer, e não como fazer - isto no sentido de como evitar gravidezes indesejadas e DST. E isto, na minha opinião, é muito pouco razoável. É natural que os adolescentes queiram descobrir os seus corpos. Uns mais cedo, outros mais tarde, uns muito devagar, outros muito depressa. E dizer-lhes apenas que não devem fazer, ou que não façam, não é de todo a melhor maneira de os ajudar a crescer.
Não sei se entretanto as coisas em Portugal mudaram. Suponho que muito pouco, porque o principal - a mentalidade - não mudou. E a taxa de gravidezes adolescentes continua a ser das mais altas, senão a mais alta, da Europa. É por isso que estou do lado da educação sexual nas escolas. A informação é um bem precioso, em todas as áreas, e nesta, que toca directamente a vida de todos nós, também. E porque não acho que a maria seja o melhor meio de esclarecer as dúvidas dos adolescentes. E porque nem todos os pais sabem ou querem esclarecer os filhos.
3 comentário(s)

3 Comentário(s):

POis mesmo assim, supostamente o reino unido é "avancado" em relacao a educacao sexual... e a semana passada apareceu uma noticia nos jornais de uma mae com tres filhas que tinham engravidado aos 12, 14 e 16 anos e que achava que era tudo culpa do governo e que o governo devia pagar-lhes o sustento a todas... haja paciencia... aquela maezinha depois da primeira, nao deveria ter tido uma conversa seria com as outras? Bem... parece que existem coisas que nao mudam de um dia para o outro... pena eles nao terem a Maria aqui, talvez as miudas tivessem aprendido alguma coisa. Jokas

By Blogger Ana, at 10:19 da manhã  

Quando eu disse que não tinha a certeza se Portugal era o país da UE com mais gravidezes adolescentes era a isso mesmo que me estava a referir: Portugal e Grã-Bretanha competem pelo primeiro lugar. Bem sei que a maria é bem melhor que nada, mas mesmo assim, é manifestamente insuficiente. Agora essa de estarem à espera que o Governo pague o sustento às mães adolescentes explica muita coisa...

By Blogger Snowgaze, at 10:37 da manhã  

Ai, snowgaze, nem sei que te diga. Apesar de a hora aí no RU ser a mesma de cá, andas a aperder uns mimos maravilhosos aqui pela blogosfera sobre o tema.

Quanto a educação sexual, olha, vou dizer-te: não há uma disciplina com esse nome nas nossas escolas. Para não «chocar» mentalidades pré-científicas, decidiu-se que o melhor era falar da coisa de uma forma «transdisciplinar», ou seja, os profs falam se e quando lhes apetecer, da forma que bem entenderem.

E minhas amigas, a questão não está em que o Governo deva sustentar quem quer que seja, a questão está em que o Governo TEM DE DECIDIR E TEM DE PROMOVER a educação sexual nas escolas tal como ela deve ser feita: por pessoas preparadas para o efeito, sem moralismos bacocos, mas também aliando sempre a sexualidade a algo que é íntimo e que não tem data, nem hora para acontecer. Mas quando acontecer, há que estar informado. Isto cabe ao Governo. É uma questão de saúde pública, porque não se fala só de gravidez na adolescência, mas de um país em que a taxa de infectados com HIV entre os 16 e os 24 anos tem vindo a aumentar....

By Blogger Rita, at 10:46 da manhã  

Enviar um comentário página inicial