quarta-feira, março 09, 2005

Viagens de avião

Gosto de uma boa pechincha. E adoro malas de viagem. Quando vejo uma mala que me daria para uma função específica a um belo preço, raramente resisto. Como resultado, tenho montes de malas de viagem. Por exemplo, uma mala de plástico duro, suficientemente pequena para levar na cabine dos aviões, e suficientemente resistente para trazer comigo umas garrafitas de vinho ou uns frascos de tremoços. As malas pequenas, que respeitam os requisitos das companhias aéreas para poderem ser levadas connosco dentro da cabine são as minhas preferidas. Só que esta mania de comprar pechinchas, às vezes tem as suas desvantagens. Por exemplo, quando a mala está tão pesada que tem que ir no porão. Como os funcionários dos aeroportos tratam as malas nas palminhas das mãos, é uma questão de sorte a mala sobreviver. E quando a mala é estragada pela malta dos aeroportos que é que se pode fazer? Reclamar, claro. A última mala que me estragaram era a minha preferida. Tinha as dimensões mínimas para ir na cabine, na viagem de ida para Portugal, mas um fecho estrategicamente colocado permitia-lhe aumentar uns 7cm em "espessura", o que tem a enorme vantagem de eu não precisar de uma segunda mala quando volto para a Alemanha. (Eu já mencionei que adoro fazer compras em Portugal?) Da última vez que a utilizei, vinha meia trôpega, a mala, não eu, com um ferro a sair da parte que serve para puxar, a pega estragada, e um rasgão já não sei onde. E eu lá me dei ao trabalho de ir ao guichet da companhia (e isto tem que se fazer antes de sair para a área acessível ao público), esperar, e preencher os papéis da reclamação. E ver o olhar esgazeado da senhora do guichet quando lhe respondi à pergunta "quanto é que a mala custou"? Pois, já sei que sou otária por lhe ter dito a verdade. Estava com febre e uma dor de cabeça quem nem podia. Não sabia o que estava a dizer. Mas pronto. Não foi por causa do valor que reclamei, mas por causa do princípio. Se não têm cuidado com as coisas, então têm que pagar o que estragam, mesmo que o valor seja baixo. E eu fiquei mesmo triste com isto. É que não é todos os dias que se encontra a mala de viagem perfeita, e ainda para mais a um preço que vale a pena (mesmo que não se precise da mala... não, uma mala dá sempre jeito)!
Resumindo e concluindo, depois de muitos papéis para trás e para a frente, enviar a mala danificada pelo correio, à cobrança, claro, e umas semanas de espera, lá puseram a massa na minha conta. E depois de muito penar, não é que consegui encontrar uma mala quase igual à que tinha sido estragada, por menos 5 euros? :-)
4 comentário(s)

4 Comentário(s):

Boa! Olha q nem me ocorria q se pudesse reaver o dinheiro de uma mala danificada nos aeroportos. E já me aconteceu um rasgão e objectos roubados das divisões exteriores da mala (agora é só a cadeado, ah pois é).

By Blogger cris, at 9:02 da tarde  

O teu comentário já fez valer a pena este post!

A primeira vez que me aconteceu também "passou", por ignorância minha. Mas uma pessoa tantas vezes passa por estas coisas que lá acaba por aprender. :)
Felizmente nunca me roubaram nada, foi mesmo só várias malas estragadas. E se desta vez tive sorte, também já me aconteceu a mala ser substituída pela companhia por outra que nao tinha as mesmas funcionalidades (pois, para mim isso é o que conta, nao o preço!).

By Blogger Snowgaze, at 9:12 da tarde  

quem é que resiste a uma boa (ou bonita) mala? ainda por cima a preço baixo? :)
mulheres!

By Blogger Joana, at 9:48 da tarde  

Da ultima vez partiram a roda da minha mala favorita, da minha cor favorita, com o tamanho ideal, as funcionalidades ideais... :( Reavi o dinheiro da mala mas não me parece que vá encontrar nenhuma que a substitua... E eu sou daquelas pessoas que se passa da cabeça quando lhe roubam o cachecol que o pai ofereceu antes de ir viajar... :((((

By Blogger BloodyLiLith, at 6:33 da tarde  

Enviar um comentário página inicial